A mentira é uma afirmação dita por alguém que de alguma forma sabemos que é falsa. É negar aquilo que é verdadeiro. Contar uma mentira significa que estamos enganando, iludindo, ludibriando alguém.


O problema é que nem sempre uma mentira é descoberta. E enquanto ninguém descobre sua falsidade ela é legitimamente verdadeira. Ou pelo menos alegadamente verdadeira.


No folclore popular dizem que uma mentira se torna verdade a partir do momento em que se acredita nela. Na história, Joseph Goebbels, ministro da propaganda nazista durante o governo totalitário de Adolf Hitler afirmou que uma mentira contada 1000 vezes se torna uma verdade.


Estamos vivendo algo que alguns chamam de “a era da pós-verdade”. Um tempo em que o que é falado, publicado, escrito, transmitido pode não ser a fiel verdade, mas talvez uma distorção muito bem elaborada que parece uma verdade.


E o nosso problema é que está cada vez mais difícil perceber quem está falando a verdade. Pior... é mais difícil ainda perceber que está mentindo.


Em tempos de mundo globalizado, isto ganha proporções enormes. Surgem as notícias e fatos que são bem duvidosos, mas que por conta da forma como são mostradas ou como são transmitidas, adquirem certo grau de confiabilidade.


Quando na verdade, não são nada confiáveis.


E o pior ainda está por vir... porque as vezes o que queremos que seja a verdade é a mentira. E não o contrário.


Verdade ou não, esta história de disseminar conteúdo de origem duvidosa (para não dizer mentirosa) se tornou um fenômeno do nosso cotidiano e ganhou um nome: as pessoas começaram a chamar isso de Fake News... o assunto desta papo qualquer.